Michael Jackson: 4 segredos sombrios do Rei da música pop

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
Michael Jackson, king, pop, singer-4619880.jpg
Pixabay.com

Traduzido por: Mihaela Nicolae

A morte de Michael Jackson, o Rei do Pop, trouxe amargura e arrependimento tanto para a família como para os fãs. A cerimónia funerária foi transmitida ao vivo e assistida em todo o mundo. Contudo, poucos conheciam os segredos obscuros que o cantor escondia. A sua vida pessoal, de resto controversa demais, tornou-se uma obsessão para os paparazzi, que,  com os meios de comunicação social, encorajam, mesmo após a sua morte, a teoria de que ele tenha fingido a sua morte. Será isto apenas um mito ou a verdade?

 

1. Neverlands

Neverlands tornou-se a casa dele em 1988, lugar onde passou grande parte da sua vida. O interior do imóvel estava cheio de marionetas, manequins e brinquedos, um verdadeiro paraíso para as crianças. Sendo acusado de abuso infantil, a polícia fez investigações e descobriu salas secretas e bonecos aparentemente inofensivos, mas que escondiam câmaras de vídeo que registavam todos os seus movimentos 24 horas por dia. Um dos armários continha uma porta para uma sala secreta.

A razão pela qual Michael escondia tais câmaras nunca foi revelada, aumentando o mistério do cantor. Além disso, o edifício estava equipado com um conjunto de alarmes perto do seu próprio quarto, o que o tornava cada vez mais suspeito.

 

2. O diário

Michael Jackson manteve escondido durante anos um diário no qual revelou os seus desejos e emoções, mas especialmente os seus receios. Após a sua morte, o diário foi descoberto pela polícia, que revistou a sua casa. A caligrafia era caótica, com palavras espontâneas escritas em algumas páginas que não davam nada a entender, apenas mostravam uma pessoa cheia de problemas e ansiedades. Numa página, Michael revelou: “receio que alguém esteja a tentar matar-me”.

Os trechos do seu próprio diário levantaram dúvidas para os investigadores sobre a sua morte. Foi um suicídio ou uma armadilha? Também na mesma página estava escrito: “pessoas más – em todo o lado. Eles querem destruir-me.” Ao mesmo tempo, a sua caligrafia variava desde letras grandes, enfatizando a sua autoconfiança, até às mais pequenas, os psicólogos afirmando que isto indicava as inseguranças que ela tinha. Uma coisa é certa, para além do seu sucesso e talento, Michael Jackson foi uma pessoa introvertida, que se camuflava num personagem amado pelo mundo, mas que finalmente foi conduzido pelos seus próprios pensamentos e solidão à toxicodependência, o que o destruiu.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Michael Jackson (@michaeljackson)

 

3. Os problemas de saúde

Sabe-se que a estrela fez uma série de cirurgias plásticas, mas desta vez, o cantor escondeu uma parte careca no seu couro cabeludo. Suspeita-se que sofreu um acidente durante a gravação de um comercial da Pepsi em 1984, ocasião em que o seu cabelo sofreu queimaduras. Para esconder a zona sem cabelo, ele tatuou o seu couro cabeludo com uma cor escura.

Conrad Murray, que foi médico de Michael e que, infelizmente, foi acusado do assassinato do rei da música pop, revelou após a morte do artista que lhe foram dadas injeções hormonais quando era adolescente. Jackson divulgou ao seu médico que o seu pai, Joe, tinha-o forçado , aos 13 anos, a passar pelas injeções, a fim de manter a sua voz encantadora.

 

4. A infância

Michael Jackson sempre tentou esconder o seu triste período de infância, mas os dramas da época eram evidentes nas suas ações. Porque ficava constantemente sozinho quando criança, tinha-se tornado cada vez mais possessivo em relação aos seus próprios filhos, que apareciam em público usando máscaras para não revelar suas identidades. Infelizmente, tudo isto conduziu a problemas de ordem social. Mesmo quando celebravam os seus aniversários, os seus três filhos não tinham convidados para a festa. Numa entrevista com a famosa apresentadora de TV, Oprah Winfrey, declarou que costumava chorar muito na infância precisamente porque não conseguia brincar como uma criança normal.

 

View this post on Instagram

 

A post shared by Michael Jackson (@michaeljackson)

 

Retrospetiva da noite da sua morte

Era 24 de Junho de 2009, altura em que Michael Jackson se preparava minuciosamente para a sua próxima digressão. Sentia cada vez mais pressão e estresse, experimentando distúrbios do sono. O último ensaio terminou por volta da meia-noite. Michael despediu-se da equipa e desejou-lhes uma boa noite.

Chega a casa exausto e o problema do sono persiste. Na manhã seguinte, é encontrado morto no seu quarto. A 26 de junho, uma autópsia revelou a causa da morte: overdose de medicamentos.

Um ano mais tarde, o seu médico, Conrad Murray, foi acusado. O mais interessante a notar é que Murray teve uma gravação áudio um mês antes da morte da estrela, na qual Michael pediu persistentemente por medicamentos para ajudá-lo a dormir. Os juízes consideraram a gravação como chantagem. No final, Conrad Murray recebeu uma pena de quatro anos, mas foi libertado após dois anos.

 

Teorias sobre a morte de Michael Jackson

  • Michael fingiu a sua morte para escapar de problemas financeiros e  uma potencial bancarrota.
  • Um oficial afirmou ter sido visto a atravessar a fronteira entre a Califórnia e o México, mas o seu rastro não foi encontrado até hoje.
  • A filha dele, Paris, acredita que ele foi assassinado, e afirma uma possível ligação com um grupo chamado Illuminati.

Michael Jackson continuará a viver nas nossas almas, deixando-nos como herança lembranças e verdadeiras obras-primas musicais. Foi ele que deixou a sua marca na indústria musical, com um casaco de couro vermelho, maquilhagem fantasmagórica e movimentos de dança lendários.

 

FONTES:

 

 

 1,030 total views,  1 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *