Saudades demais só para 30 de janeiro e um único idioma

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Ziua dorului, saudades
Foto: pexels.com

Saudades… um estado de espírito que não cabe em um só dia e em apenas um idioma. No dia 30 de janeiro celebramos a existência desta palavra, mas cada dia lidamos com aquilo que essa constrói em torno dela. Muito mais do que apenas um vocábulo, é um sentimento universal que deu origem a tantas poesias, lágrimas e promessas e cuja intensidade leva para a dificuldade de lhe criar uma simples definição teórica.

Por mais universal que seja, há dois idiomas neste mundo que têm um equivalente quase perfeito para descrever a sensação. Tanto os falantes nativos de português quanto os do romeno orgulham-se com a existência de uma palavra que seja, consideram eles, única no mundo. Aquilo que eles não sabem é que, embora não exista uma tradução para inglês, não quer dizer que entre elas não tem.

Vamos descobrir quais são as diferenças entre as saudades em português e o dor em romeno.

 

Em português, saudades é substantivo feminino. É um sentimento que pode ter dois caminhos:

– sentir a ausência de alguém, algo, ou algum lugar, de maneira nostálgica e melancólica;

– desejo de viver novamente experiências, situações ou momentos já passados.

É evocar à mente a vontade de retornar àquilo que se sente falta.

 

Tem origem no latim (solitas / solitate) com a ideia de solidão. Isso representa bastante como me sinto muitas vezes: estou sozinho por lembrar da ausência do que me faz muita falta. Neste idioma, nós temos saudadessentimos saudades, dizemos que saudades!também morremos de saudades e quando, finalmente, temos de volta o que tanto sentimos a ausência, falamos que vamos matar as saudades.

Em romeno, dor é um substantivo masculino. A sua interpretação tem algumas semelhanças:

– uma nostalgia por algo ou alguém que desejamos tanto rever;

– uma dor da alma vinda do desejo ardente por algo que agora pertence ao passado.

É um estado que não te deixa viver.

 

Ironicamente, para os falantes de português, a palavra dor vem do latim (dolus) que hoje em dia é conhecido em português por… adivinhaste: dor! Então, nós pensamos nela como um desejo que te destrói por dentro. Provavelmente aqui intervém a dor. É um estado que não te deixa viver porque não consegues estar com a pessoa de quem tens saudades. É quase uma doença, quer dizer, tens também uma dor física no corpo que não te deixa passar o teu dia normalmente.

Como explicar a saudade?

Ainda assim, sinto que todas as definições de dicionários, explicações etimológicas e reflexões poéticas não são suficientes para explicar todas as camadas deste sentimento tão profundo e ardente em nossas almas. Tem vezes que sentir saudades é bom para reviver as memórias na mente, ao mesmo tempo em que causa sensações de dor e tristeza, temperadas pela nostalgia e pela melancolia. A saudade é complexa, é forte, se sente e se expressa. Porém, acho que não se explica. Sentimos saudades até de coisas que não aconteceram ou daquelas coisas que ainda iremos viver.

Como explicar dor?

Vocês têm saudades, para nós, é-nos dor. Usamos o presente (mi-e dor) para destacar a ausência corrente de alguém e o passado (mi-era dor) para mostrar que agora estamos reunidos com aquela pessoa. É uma tristeza quase insuperável, um sentimento que nunca foi ensinado, mas que e subentendido em todo o país. Quem sofre por dor, está desamparado ao proferir essas palavras. A sua inexplicatividade mora num pequeno lugar dentro do teu coração e, com cada respiração que tomas, falar mi-e dor de tine assemelha-se ao momento mesmo antes de começar chorarÉ mesmo uma dor da alma sempre por algo que não sabemos quando vamos ter de novo.

Algumas pessoas já tentaram, ao menos, descrever o que se passa com a gente enquanto temos saudades. Gosto muito da canção de Vital Farias, chamada Ai que Saudade D’ocê, que pode ilustrar um pouquinho das imensas saudades que sentia (e ainda sinto) enquanto escrevia este texto:

Não se admire se um dia um beija-flor invadir

A porta da tua casa, te der um beijo e partir

Fui eu que mandei o beijo

Que é pra matar meu desejo

Faz tempo que eu não te vejo

Ai que saudade d’ocê

 

Os nossos poetas, cantores e pintores de todas as idades já tentaram e conseguiram capturar a ideia de dor. Uma canção mais recente cujos versos falam no desespero causado por dor tem versos que dizem que, infelizmente, ninguém morre por saudades porque isso seria demasiado fácil. Aqui tem Supradoză de dor, com lágrimas secas, sonhos falhados, noites paralisantes e dias laceradas.

Supradoză de dor
Cu lacrimi uscate, vise eșuate,
Cu zile sfârtecate, nopți paralizate,
Da’ de la asta nu se moare,
Nu se moare, din păcate.
Ar fi mult prea ușor. Supradoză de dor.

Explicar as saudades em romeno ou dor em português pode diminuir a intensidade de ambas as palavras. Mas será que tem um entendimento intraduzível entre estas duas línguas só por nomearem um sentimento vivido por cada ser humano? Eu acho que sim. 

Se sentires saudades por alguém, não te esqueças de lhe dizer isso cada dia, não apenas hoje!

 526 total views,  1 views today

1 thought on “Saudades demais só para 30 de janeiro e um único idioma”

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *