Lisboa: o centro da cultura e da história portuguesa

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Lisboa, Lisabona
Fotografia: pixabay.com

Encontrada na costa de oeste de Portugal, Lisboa é o maior centro turístico e cultural do país. Nesta cidade, a cultura e a história local misturam-se com as canções de fado, arte estradal, gastronomia e uma comunidade enérgica que a tornam num destino ideal para ir de férias.

Lisboa é uma das cidades mais carismáticas e vibrantes da Europa, ganhando nos últimos anos mais popularidade. Uma destinação em que se combinam, sem esforço, os patrimónios nacionais, como a Torre de Belém, o Castelo São Jorge ou o Largo do Carmo, com a arte moderna e o pensamento progressista da sociedade.

Oferecendo uma vista maravilhosa aos seus visitatores, a capital portuguesa encontra-se em cima de sete colinas à volta das margens do rio Tejo. Contudo, ao longo da sua longa história tumultuosa, a segunda mais velha cidade da Europa sobreviveu a um terromento devastador que destruiu muitos dos seus edifícios.

Alguns dos maiores símbolos da Lisboa… Alfama, o seu bairro mais velho

Alfama é o bairro mais velho que se pode encontrar na capital portuguesa, espalhando-se na encosta entre o Castelo São Jorge e o rio Tejo. Durante a dominação dos mouros, Alfama constituía uma cidade inteira, que se espalhou gradualmente ao oeste, zona que agora é constituída pelo bairro Baixa. Aqui habitavam os pescadores e os pobres e mesmo hoje em dia é visto como um bairro desprovido. Embora o terramoto de 1755 tenha destruído muitos dos edifícios portugueses, o bairro Alfama não foi afetado em totalidade. Assim, esse permaneceu como um labirinto pitoresco, com ruas estreitas e praças pequeninas.

Hoje em dia, o bairro mais velho de Lisboa oferece aos seus visitadores atrações importantes e cheias de história e abunda de restaurantes em que soam as canções de fado. Aqui podes encontrar também importantes pontos turísticos, como a Santa Maria Maior de Lisboa e o Convento da Graça.

 

Castelo São Jorge

Ficando majestosamente acima de Lisboa, representa uma das melhores atrações turísticas que a capital oferece aos seus turistas. O Castelo São Jorge conheceu o início da história lisboeta, experimentou uns dos mais violentos conflitos entre os árabes e os cristões, sobreviveu aos assédios castelhanos e observou o nascimento do português como a nação dos maiores navegadores.

Agora, a história tumultuosa refleta-se nas paredes do Castelo São Jorge, colocando-se entre os mais importantes e antigos símbolos da Lisboa. A majestosa fortificação está aberta para turistas que querem saber mais da história portuguesa.

 

O Elevador de Santa Justa

Esse é uma outra atração turística que foi construída no século XIX. O Elevador de Santa Justa foi inspirado das criações de Gustave Eiffel e era utilizado para transportar passageiros da colina do bairro Baixa até o Largo do Carmo e as suas ruínas. A sua arquitetura única com arcos neogóticos e modelos geométricos coloca-o no top dos lugares mais artísticos da capital.

Anteriormente, Santa Justa era uma parte indispensável do sistema de transportes em Lisboa, mas hoje em dia permaneceu só um dos destaques mais valiosos do bairro Baixa, medindo 45 metros. Além disso, o Elevador de Santa Justa oferece aos turistas uma vista maravilhosa sobre a cidade. Prometo que vale a espera na fila que parece não ter fim!

 

Praça do Comércio

Praça do Comércio é uma das mais maravilhosas zonas da cidade. Vários edifícios no estilo pombalino cercam a grande praça, deixando livre o lado sul que se encontra em frente do rio Tejo. No meio dela encontra-se uma estátua ilustre com rei José I, ao passo que na entrada da praça pode ver o impresionante e glorioso Arco da Rua Augusta.

Segundo uma guia de Lisboa, a Praça do Comércio refletia a riqueza e as ambições da sociedade portuguesa durante o século XVIII. Nesse mesmo lugar, os comandantes planificavam viagens marítimas para o Brasil, Índia e Sudeste da Ásia.

 

Torre de Belém

A Torre de Belém é realmente o maior símbolo da Lisboa. É um pequeno forte construído no século XVI no estilo Manuelino. Além disso, apresenta algumas torres de vigia no estilo árabe e algumas ameias, mostrando a cruz de Cristo.

A Torre de Belém serviu como ponto de embarque e desembarque para os exploradores portugueses e como uma porta de entrada ceremonial em Lisboa. Além disso, desde 1983 a torre faz parte do Património Mundial da UNESCO e é considerada um símbolo da Era dos Descobrimentos na Europa.

 

Elétrico 28

O elétrico 28 faz parte do grande sistema de transporte que passa pelo centro da cidade. Esse não é um objetivo turístico muito típico, mas as pessoas que visitam a Lisboa mostram um grande interesse em viajar com o elétrico amarelo e vintage. O 28 faz a viagem de o Martim Moniz a Campo de Ourique. Com o amarelo pode marcar lugas encantadores, como Chiado, o Bairro Alto, Basílica e Jardim da Estrela.

O sistema de transportes de Lisboa pinta os elétricos com vários modelos que passam pela cidade, mas o amarelo 28 fica o clássico dos meios de transporte.

 

Pastéis de nata

Esse é um doce específico em todo Portugal, mas também nas regiões que antigamente foram colónias portuguesas. Foram primeiramente criados antes do século XVIII pelos monges no Mostreiro Jerónimos e agora são um símbolo gastronómico português.

Os ingredientes principais dos pastéis de nata são as gemas de ovos, o açúcar e a canela. Há pessoas que preferem comer os pasteis com açúcar de confeiteiro em vez de canela. Além disso, em 2009, The Guardian, listou os pastéis de nata no top 50 das melhores coisas para comer.

Lisboa é uma das cidades mais coloridas da Europa, uma capital cheia de cultura, história, música, arte e boa vontade, sendo um lugar ideal não só para os jovens, mas para todos que gostam de viajar e descobrir novas culturas e sociedades. Lisboa, uma aventura sem fim, impressiona todos os turistas que a atravessam.

Chegaram a Lisboa ao cair da tarde, na hora em que a suavidade do céu infunde nas almas um doce pungimento.

– José Saramago

Se quiserem ver como começou a nossa aventura no mundo do jornalismo, clica aqui!

Fontes:

 436 total views,  1 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *