11 de setembro de 2001 – 20 anos desde os atentados mortais dos EUA

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
11 de setembro, 11 septembrie
Pixabay.com
Em 11 de setembro de 2001, as torres gêmeas do World Trade Center foram destruídas e quase 3.000 pessoas perderam a sua vida. Era o momento enquanto o mundo inteiro estava em frente dum ataque terrorista.

 

Os atentados de 11 de setembro foram cometidos pela rede Al-Qaeda que usaram quatro aviões comerciais para atirá-los contra os simbolos das Estados Unidos da América. Dois aviões foram lançados contra World Trade Center em Nova York e um outro contra o Pentágono, perto de Washington DC. O quarto avião teve como alvo o Capitólio, a sede do Congresso ou também a Casa Branca, mas, com apoio dos passageiros, o avião caiu na zona da Pensilvânia.

Como correram os eventos trágicos de 11 de setembro? 

Às 08:46 o primeiro avião, um Boeing 767, decolou de Boston com destino a Los Angeles, tendo 92 pessoas a bordo, incluindo também 5 jihadistas. Chocou a quase 790 km por hora a torre norte do World Trade Center e abriu uma fenda enorme nos andares superiores. Às 09:03 começa o ataque contra a segunda torre. O voo 175 da United Airlines que decolou de Boston com o mesmo destino, Los Angeles, com quase 65 pessoas a bordo, chocou a 950 km por hora contra os andares superiores da torre sul, provocando uma explosão. 

Às 09:05 é informado o presidente Bush sobre os ataques. O presidente George W. Bush começa a ler um conto para crianças numa escola de Sarasota, em Flórida. O seu chefe de gabinete chega e informa o presidente sobre os acontecimentos: Um segundo avião atingiu a outra torre. Os Estados Unidos estão sob ataque.

Às 09:25 a Administração Federal de Aviação fecha o espaço aéreo e impede a decolagem de todos os aviões. Às 09:30 o presidente americano diz que tem que voltar imediatamente a Washington. Às 09:37 o voo 77 da American Airlines que decolou do aeroporto Washington, com destino a San Francisco e com 64 pessoas a bordo, chocou contra a fachada oeste do Pentágono.

Às 09:42 as autoridades de aviação civil FAA pedem que todos os aviões comerciais aterrissem com a maior brevidade possível. Às 09:59 a torre sul do World Trade Center desmorona em segundos, em meio a uma chuva de fogo.

O impacto foi tão grande que as vítimas nunca foram identificadas. Às 10:30 um avião da United Airlines que viajava entre Nova York e San Francisco caiu no campo em Shanksville, Pensilvânia. Os passageiros, que foram informados ao telefone dos acontecimentos, lutaram com os terroristas e impediram que o avião caísse sobre o Congresso, o Pentágono ou a Casa Branca.

Às 10:28 a torre norte do World Trade Center desmorona após 102 minutos de ter sido atingida. Às 13:04 o presidente George W. Bush é evacuado para Barksdale, na Louisiana, após uma declaração das autoridades do estado de alerta máximo. O presidente é levado à base aérea de Offutt, em Nebraska, antes de voltar à Casa Branca, onde vai levar o seu discurso presidencial às 20:30 horas.

Os sinais que indicavam o ataque dos EUA de 11 de setembro

Osama bin Laden em 1988 funda a Al-Qaeda, que é um grupo militante cujo objetivo é travar a jihad mundial. Osama tornou-se, após os ataques, a pessoa mais procurada pelos americanos. Em 6 de Janeiro de 1995, Abdul Hakim Murad é detido em Manila. Ele é a pessoa que teve os planos para explodir os aviões dos EUA no Pacifico.

Os primeiros sinais poderão ser as bombas que, no dia 7 de agosto de 1998, explodiram nas embaixadas dos EUA no Quênia e Tanzânia, matando quase 224 pessoas. Foi o primeiro momento quando a Al-Qaeda toma responsabilidade dos ataques. Em 8 de outubro de 1998, a Administração da Aviação Federal aconselha todas as companhias aéreas que mantenham um estado alto de alerta, pois as ameaças são mais encontradas agora. Também o aviso vem como resposta às declarações que foram feitas por Bin Laden. 

Ao final do ano de 1998, a comunidade de inteligência dos Estados Unidos tem informações que indicam que o Bin Laden quer coordenar um ataque nos Estados Unidos. Em virtude das ameaças feitas, as autoridades americanas disseram que são vagas e que as informações não são completas. O ano de 1999 foi o primeiro quando foi introduzido numa lista de suspeitos de terrorismo o Zacarias Moussaoui.

A inteligência francesa teive informações de que ele estava colaborando com a Al-Qaeda. No mesmo ano, em setembro, foi publicado um artigo sobre terrorismo que afirmava que a Al-Qaeda seria a ameaça terrorista mais séria aos interesses de segurança dos Estados Unidos. O artigo também ilustrava o facto de que a Al-Qaeda podia usar aviões como meios de ataque. 

Em dezembro de 1999, a CIA ouviu pela primeira vez conversas telefônicas que estavam detalhando planos para uma próxima cúpula da Al-Qaeda na Malásia. Em 14 de dezembro de 1999, o Ahmed Ressam é preso no momento quando tentava entrar nos Estados Unidos, por meio do Canadá. No seu carro, foram encontrados 59 quilos de material para fazer bombas. O plano tinha como objetivo explodir o Aeroporto Internacional de Los Angeles.

No dia 6 de agosto de 2001, o presidente americano George W. Bush foi informado de que Bin Laden estava pronto para atacar a América. A data exata não foi facultada. Um mês depois, no dia 4 de setembro de 2001, as autoridades de segurança nacional aprovaram um plano de combate à Al-Qaeda. O plano queria armar os inimigos do Talibã e deveria ser apresentado ao presidente no dia 10, mas Bush estava ausente e não o viu.

A crise do Afeganistão: 3 lições que tínhamos aprendido ou não, após 11 de setembro

A principal questão que certamente está na boca de todos é se aprendemos algo com o que aconteceu há 20 anos ou não. Tanto quanto podemos ver, a crise no Afeganistão não chegou ao fim. Além disso, parece ser pior do que era antes. O ataque mortal no 11/9 mudou definitivamente a relação entre estes dois países? 

Será que o mundo inteiro se uniu com os EUA contra o Afeganistão? 

Ainda acreditamos que ataques semelhantes não acontecerão em outros países? A história respondeu às nossas perguntas. Quer estejamos a falar da Al-Qaeda ou do ISIS, ocorreram ataques terroristas semelhantes na Europa e noutros países também. É verdade que as baixas não foram as mesmas.

Para cada americano, a manhã de 9/11 permanecerá memorável. Mas não de uma boa maneira em tudo. A manhã permanecerá em sua memória como o momento em que enfrentaram a morte, quando enfrentaram seu pior medo e quando abraçaram, talvez pela última vez, seus entes queridos. 9/11 mudou a história para cada pessoa que conhecemos. Foi uma batalha entre o bem e o mal. Uma decisão que tinha de ser tomada. Ou enfrentaria o terrorismo ou faria parte dele.

1. Compartilhar inteligência vital

Todas as pistas estavam à vontade e para o uso de todos, mas ninguém ligou os pontos. Poucos meses antes do 11/9, os serviços do FBI e da CIA estavam cientes de que algo estava planejado contra os EUA. Mas principalmente por causa da competição que é entre os dois, eles não informaram mais sobre e eles optaram por manter a informação para si. Ainda assim, eventos passados provaram que os serviços secretos não são 100% certos.

A Grã-Bretanha tem uma associação da JTAC que combate o terrorismo. Infelizmente, revelou-se ineficiente, uma vez que a Al-Qaeda levou a cabo 7 atentados, matando cerca de 50 pessoas. Estamos a ter em conta o atentado de Manchester de 2017. Paris também faz a lista com o ataque de 2015 em Bataclan, que matou 130 pessoas. O julgamento ainda está em andamento. Além disso, os serviços secretos europeus não partilharam antecipadamente as suas informações.

2. Defina a missão e não se distraia

A invasão americana no Iraque em 2003 é a grande distracção para o que realmente estava acontecendo no Afeganistão. Muitas Forças Especiais dos EUA e da Grã-Bretanha que estavam inicialmente trabalhando para manter as forças talibãs em paz, foram enviadas para o Iraque. Isso só ajudou todas as forças talibãs a se fortalecerem e se reagruparem mais uma vez. Hoje em dia, as decisões que foram tomadas na altura revelaram-se erradas.

3. Ter um plano de saída

Os eventos que ocorreram após o 11 de setembro não duraram muito tempo. Sierre Leone, Kosovo ou mesmo a Tempestade do Deserto de 1991 chegaram ao fim rapidamente. Mas a invasão dos EUA ao Afeganistão e ao Iraque parecia ter durado para sempre e os acontecimentos eram muitas vezes referidos como “as guerras eternas”. Ninguém acreditava que a guerra duraria mais do que 2001 ou 2003. Apesar de todos os pensamentos que foram compartilhados naquele momento, a missão não foi um fracasso completo. No entanto, se isso nunca tivesse acontecido, talvez mais ataques terroristas teriam acontecido.

O que aprendemos depois do 11 de setembro até agora?

O racismo ainda está fortemente encriptado na mente das pessoas. Ainda estamos compartilhando crenças diferentes e não aceitando as pessoas que não concordam conosco. Que as almas que perderam suas vidas descansem em paz agora. Comemoramo-los e sentimos sua falta depois de todos esses anos ainda. Que Deus lhe conceda descanso e eternidade. Que isso nunca aconteça novamente.

Fontes:

Pode ler este artigo também no rumeno, AQUI.

11 de setembro 11 de setembro 11 de setembro 11 de setembro 11 de setembro 11 de setembro

 515 total views,  2 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *