Visitar o Departamento de Oncologia muda radicalmente a tua vida

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Departamento de Oncologia

Meu contato com o Departamento de Oncologia começou no final de 2019, quando descobri a cruel notícia que o bebê de 7 meses da minha irmã estava sofrendo de câncer avançado. Ele ficou inesperadamente triste por nossa família, especialmente porque as suas chances não eram muito grandes. Começou o tratamento quimioterápico de emergência no hospital de Iași, que marcou o início de uma nova etapa em nossas vidas.

Costumava ir com frequência para ficar com meu sobrinho, Tudor, e tentar estar com ele tanto quanto possível. É que além dele, apeguei-me a várias crianças que sofriam da mesma doença grave – o câncer.

Minha primeira visita terminou com um grito forte e agudo, porque só então me deparei com a realidade. Percebi que o Departamento de Oncologia não estava apenas na TV. Realmente existe e está cheio de almas pequenas e grandes que querem outra chance de vida e que lutam com todas as forças para prolongarem os seus dias.

Tive a chance de ir ao Departamento de Oncologia Infantil, o que me afetou ainda mais no longo prazo…

Não me lembro das imagens de crianças de todas as idades com barrigas grandes por metástase, cegas, sem mãos, sem pernas, com muita dor. Isso porque eles foram selados com câncer. E, acima de tudo, o tratamento quimioterápico, sua única salvação, causou-lhes grande dor.

Duas imagens que ficaram profundamente gravadas no meu cérebro são com duas meninas – uma pequena, a outra uma adolescente. A pequena estava caminhando no corredor do Departamento de Oncologia conectada com os fios atrás dela e sempre segurando sua mão. O que me marcou foi sua alegria ao me ver. Ele sorriu profundamente para mim e disse: “Estou sempre feliz. Eu só choro quando ele me trata. Mas então estou feliz“.

Minha reação foi virar as costas e chorar…

Suas palavras angelicais sempre ressoam na minha mente. Minha vida e minhas ações tiveram outro rumo desde então. Sempre me pergunto: que motivos tenho para estar triste? Por causa duma palavra ruim, porque é segunda-feira, porque, porque … e por nenhuma razão comparável ao caso da menina.

Estamos infelizes com aquilo que não temos e esquecemos-nos daquilo que já temos! Os pequenos reclamam sempre, enquanto os grandes estão felizes mesmo quando a vida os desanima – e isso não tem nada a ver com a idade.

Para eles, cada coisa pequena é motivo para deixar suas bocas rirem.

A outra adolescente, com a qual tive um relacionamento mais próximo, por ela sendo colega de quarto de Tudor no departamento de Oncologia, sempre me lembrarei dela. Digo isso no passado porque a doença acabou com a vida dela…

A notícia me afetou muito, mas fiquei feliz em poder fazer parte da sua passagem apressada ao longo dos anos. Ela era uma garota maravilhosa e otimista com um desejo pela vida. Ela sempre nos encorajou e ficou feliz em nos ver.

Graças a ela e a todos que veem alegria na dor, minha experiência começou a fazer sentido. Aprendemos que vivemos apenas quando amamos, rimos e acreditamos. Caso contrário, apenas imaginamos que vivemos.

Ainda acredito fortemente que uma visita ao Departamento de Oncologia deve ser feita por quem deseja viver no verdadeiro sentido desta palavra. Ao mesmo tempo, com cabeças sem cabelos e pele amarela irão a lembrar-te de que a vida é mais do que coisas materiais.

A vida é felicidade e esperança.

 

Hoje, Tudor está com 2 anos. Por dois anos ele, praticamente, nos mostrou o que significa fé, amor e choro. Ele nos ensinou como clamar a Deus e como depender dEle. Isso nos deu esperança e esperança para seguir em frente. Tudor nos mostrou que a dor da quimioterapia não esgota sua infância e não impede sua alegria.

Cada vez ele se levantava rindo e ansioso para viajar pelo mundo. Tudor significa um milagre para todos, significa a glória de Deus na terra, que conseguiu fazer de uma pequena criatura motivo de louvor para muitos.

Sem Tudor, eu não saberia realmente como viver hoje. O que eu vivia até então era apenas uma sombra de vida.

Leia também o artigo Dia do Abraço festejado em 2021, o ano da distância social.

 410 total views,  1 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *