Afinal, por “capital” entendemos todos a mesma coisa?

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
capital
Fonte: pexels.com

Algumas palavras podem gerar confusão quando se muda o contexto do país ou região em que se vive. Um desses conceitos é o de “Capital” no sentido geográfico. Em diversos idiomas, a escrita da palavra é igual ou bastante similar, porém, existe mais de um significado que pode ser atribuído ao termo.

O conceito de “capital” está intimamente ligado à forma como uma nação é organizada em suas divisões administrativas. À primeira vista, esta palavra pode ser facilmente conectada com a noção de ser o centro político-econômico-administrativo nacional de um país, ou simplesmente, a sede do governo. No entanto, existem muitos países no mundo que têm um conceito adicional de “capital”.

Como se organizam os territórios nacionais?

Primeiro, é necessário entender como os países organizam seus territórios. Não existe um padrão, porém, existem similaridades na forma como os espaços nacionais são divididos e subdivididos. Normalmente, quanto maior o território dos países, maior a tendência de haver mais divisões.

De maneira geral, há sempre uma separação entre níveis nacionais e subnacionais, e subníveis menores entre estes. Para ilustrar esta ideia, faço uma comparação a seguir:

País Primeiro nível
– divisões subnacionais
Segundo Nível
– divisões subentes
Terceiro Nível
– divisões subsecundárias
Angola Província: 18 províncias Municípios: 164 municípios Comunas: 518 comunas
Brasil Estados (unidades federativas): 26 estados Municípios: 5570 municípios Bairros (distritos municipais): 10.283 bairros
Portugal Distritos: 18 distritos Concelhos: 308 concelhos Freguesias: 3092 freguesias

Outros exemplos de divisões e subdivisões são Departamentos, Paróquias, Cantões e Regiões. Para entender em que nível cada categoria se encontra, é necessário atentar para a organização específica de cada nação.

Lisboa, Paris, Londres, Washington D.C., Brasília, Bucareste, Tóquio, Luanda, Seul, Roma, e assim por diante, são todas exemplos de capitais nacionais, isto é, abrigam as sedes de seus respectivos governos. Entretanto, muitos países no mundo possuem um outro conceito: a capital de uma divisão subnacional.

As capitais subnacionais

No Brasil, por exemplo, temos a capital nacional, Brasília, e temos também 26 capitais para cada um dos 26 estados. Do mesmo modo, Angola possui 18 capitais para as 18 províncias que possuem, além de Luanda, que é igual a Brasília.

No meu caso, sou brasileiro e moro na cidade do Recife, que é a capital do estado de Pernambuco. Neste contexto, não há confusão entre a capital do meu estado e a capital do Brasil: ambas são capitais – Brasília, do país e Recife é uma capital brasileira.

Além disso, aqui temos uma cultura de diferenciar quem mora nas regiões do interior do país em comparação com as pessoas que moram nessa região. Para quem mora no interior de Pernambuco, por exemplo, eu sou alguém “da capital” – e isso nunca significou que moro em Brasília.

Portanto, é importante sempre atentar aos contextos específicos de cada País ou Região, pois em muitos lugares sempre haverá a coexistência de dois conceitos geopolíticos de capital: uma capital nacional e várias capitais subnacionais.

Fontes:

Achas que sabes tudo sobre Guiné-Bissau? Aqui tens um artigo 

 330 total views,  2 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *