Richard Wurmbrand – 14 anos de terror nas prisões do comunismo

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Richard Wurmbrand
Foto: Screenshot „Richard Wurmbrand - Con Dio Dumnezeu nel sottosuolo | Parte_3 | Audio Dan Bercian” dal canale di YouTube „Sii li!!!”

Há alguns anos, descobri um livro que marcou a minha existência. É sobre o livro escrito por Richard Wurmbrand, In God’s Underground, que, creio eu, vale a pena ser lido pelo maior número de pessoas possível, principalmente porque contém testemunhas da célula do comunismo. Estamos perante um estilo de vida vil e cruel que o comunismo impôs a vários povos, incluindo o povo romeno.

O livro In God’s Underground é escrito tendo como pano de fundo um comunismo feroz na Romênia, concentrando nele os preciosos testemunhos da prisão do pastor Richard Wurmbrand. Ele foi um mártir da fé, que suportou por quatorze anos a tortura desumana da política comunista liderada e guiada por Stalin.

O objetivo do livro não é reivindicar o comunismo, mas servir como um testemunho para o mundo evangélico protestante, pois o pastor fazia parte da comunidade minoritária de judeus messiânicos. Neste escrito, está muito bem construído o esqueleto: a base de uma vida submetida a um partido que fingia valorizar o homem. Vamos nos concentrar no que o autor apontou sobre as prisões comunistas. Ele observa detalhes que representam um material valioso para decifrar a vida atrás das grades.

Chegando ao Ocidente, Richard Wurmbrand confessa como é a verdadeira Romênia comunista, desfazendo os mitos e as imagens que glorificavam esse regime político. Assim, a publicação do livro In God’s Underground em 1968 na Inglaterra e nos Estados Unidos – dois países livres na época – chocaria leitores que nunca haviam enfrentado tal sistema e mudaria completamente a visão da faceta do comunismo que exigia igualdade, harmonia e direitos respeitados, quando na verdade se tratava de tortura, morte e sadismo.

Posteriormente, o livro também apareceu em romeno em 1994, escrito em nove partes, sendo lido por muitos protestantes cujas vidas foram influenciadas por Richard Wurmbrand ao longo dos anos, especialmente devido à sua resistência à opressão dos “governantes vermelhos”.

No Prefácio, o autor destaca que a principal razão para escrever o livro é uma homenagem aos “mártires cristãos que sacrificaram suas vidas a serviço do Senhor e morreram bravamente torturados pelos comunistas” (p. 6). Ao mesmo tempo, o autor quer especificar que, embora o depoimento seja baseado na verdade, os nomes próprios são fictícios porque se tivessem fornecido nomes e dados exatos “sobre pessoas que agiram bem, teriam sido perseguidas” (p. 12).

Esses aspectos do comunismo nos introduzem num mundo subjetivo, julgado pelos olhos de Richard Wurmbrand. O pastor acumulou experiências que considerou adequadas para colocar nas páginas de um livro, destacando a nobreza do sofrimento por Cristo.

Chegando à prisão depois de ser sequestrado por funcionários da Securitate, Richard Wurmbrand relata com horror o que se passou desde aquele dia até o 14º ano, quando foi solto (“Lá dentro, meus documentos e pertences pessoais foram levados, a gravata e os cadarços e, finalmente , o nome. A partir de agora, disse o funcionário, você é Vasile Georgescu.” (p. 13). A partir deste ponto, a história aumenta e relatos inimagináveis ​​são descritos sobre os métodos comunistas pelos quais a reeducação dos prisioneiros era desejada, com os opressores fazendo-os cometer atos descomprometidos.

Destaco aqui apenas alguns deles, aqueles que ficaram gravados na minha memória e que considero os mais relevantes.

1. Um método é a  técnica do gravador, que os comunistas usaram para assustar o detido e fazê-lo aceitar algo que não fez. Gravados com gritos em segundo plano, gritos que pareciam reais e ameaçavam o investigado (“Enquanto o homem aperta o cérebro para adivinhar o motivo de sua prisão, a tensão se instala por meio de outros truques: ele ouve tiros de arma de fogo ou outros gritos de detentos gravados na fita”, p. 37).

2. A técnica de montaria é aquela em que os detentos ficavam horas em pé sem comer, olhando apenas para a parede, após o que eram repentinamente obrigados a ir ao comando do guarda e, caso seu corpo se recusasse a se mover, eram espancados de maneira cruel, sob o pretexto de que não obedeciam às ordens (“Pior de tudo, você tinha que retomar a caminhada depois de poder descansar alguns minutos”, p. 48). 

3. A espera é considerada pelo autor como “a pior tortura”, pois ninguém sabia o que aconteceria a seguir. Ele testemunhou os espancamentos dos outros, suas torturas, sabendo que de vez em quando ele seria o único em questão. Os guardas não anunciaram, surpreenderam-nos, seguindo o princípio de que o sofrimento é a melhor forma de formar uma mentalidade inteiramente dedicada ao comunismo.

4. As drogas, outro método usado nas prisões comunistas, levavam à perda de espírito (“os médicos me prescreveram um novo remédio: uma cápsula amarela que me dava um longo sono, repleto de sonhos muito agradáveis”, p. 69) e até ao esquecimento, com o objetivo claro de fazer os detidos esquecerem o passado e aceitarem a situação presente, com a adoção do novo regime. Era necessária a dedicação total ao regime, e o amor de Deus era visto como rival e queria ser removido.

Esses poucos momentos nos fazem testemunhar cenas aparentemente arrancadas de cenários de Ficção Científica, mas cuja realidade  é confirmada nos livros de história. Faço parte da nossa nação que, cegada pelo poder e pelas leis comunistas, se esqueceu dos maiores valores da humanidade: o amor, a justiça e a verdade.

Por meio do testemunho de Richard Wurmbrand, que apresenta muitos outros métodos de tortura em seu livro de mais de duzentas páginas, continuamos profundamente afetados pela existência de uma geração tão atormentada por um partido sedento de poder absoluto no Estado – o Partido Comunista.

Mal podemos imaginar o que um dia estes factos foram reais, muitas vezes nos acreditando no cenário de um filme no qual a história vem e escreve outro roteiro que nós, espectadores de outro século, só podemos assistir.

Joguei xadrez comigo mesmo, usando pedaços de pão: preto contra menos preto, obtido do cal da parede. Eu poderia dividir minha mente de tal forma que o preto não soubesse o próximo lance do menos preto e vice-versa, e como eu não perdia um jogo há dois anos, concluí que poderia me declarar um mestre no xadrez. (p.56)

Essa citação  transmite-nos o profundo apego à normalidade do homem privado de liberdade, que para manter viva a sua consciência pratica as atividades que o seu cérebro exige. Em uma nota humorística, somos informados de um dos métodos para desviar do nada a vida cruel com a ajuda de materiais improvisados, mas que é um todo para um homem que não tem mais contato com a luz do dia. Fiquei impressionada com a atitude do detido porque, normalmente, a situação em que se encontrava só podia ter por finalidade a depressão, a morte, mas nos momentos mais cruéis conseguiu usar a razão e fugir da realidade em que se encontrava.

Só Palavras nunca foram capazes de expressar como o homem se sente quando se aproxima de Deus. Às vezes eu ficava tão feliz que não teria resistido se não a tivesse expressado dançando. (p. 57)

Mais uma vez, expressa uma forma de se libertar das garras da solidão causadas pelo aprisionamento e de induzir a própria alegria em Deus. Vemos que a realização espiritual salva o homem da morte do espírito e implicitamente da morte física, oferecendo a satisfação de se projetar em outra dimensão, onde o homem é capaz de saltar de alegria mesmo em tempos de adversidade e tribulação. Parece que a dor física já não falava em favor da alegria pela fé, que cresce e liberta o homem do subsolo, ainda vivo.

Dizia-se então na Romênia que a vida se compunha de quatro “auto(s)”: autocrítica, feita regularmente em escritórios e fábricas; autocuidado (vaidade), que o levava à Securitate; autobiografia, que lhe pediam para escrever; e autópsia. (p.42)

Nesta frase está concentrada a verdade completa sobre o que significava o comunismo e como os seus partidários agiam. Por meio da autocrítica, eles seguiram o povo nas sombras para encontrar motivos de punição; por meio do autocuidado, os perseguidos foram sequestrados e conduzidos à Securitate, onde tiveram que escrever uma autobiografia, reconhecendo atos que nunca haviam cometido. Finalmente, era a autópsia, significando a morte e o desaparecimento das vítimas torturadas nas condições mais sombrias possíveis.

Concluindo, digo com certeza que este livro de Richard Wurmbrand, In God’s Underground, centra-se em suas páginas de testemunhos chocantes, dignos de ser colocados ao lado de tratados sobre a história do comunismo, pois  apresenta-nos tudo o que significou um vivido em outro século, onde o amor a Deus compensou com prisão e até morte, e liberdade era sinônimo de medo, terror.

Se gostar deste artigo sobre Richard Wurmbrand, leia também o artigo A Revolução dos Cravos: no 25 de abril, Portugal mudou o seu fado.

Richard Wurmbrand Richard Wurmbrand Richard Wurmbrand Richard Wurmbrand Richard Wurmbrand Richard Wurmbrand

 525 total views,  1 views today

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *